quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Homens do Mar - João de Jesus da Rocha Agra - 40

-
João de Jesus da Rocha Agra

Esta história de um Homem do Mar, ou melhor de um Jovem do Mar, tardou a aparecer. Porquê? Como? Quando?
Procuram-se, mas só vêm ter connosco, quando menos pensamos. Depois, cruzam-se os dados do «puzzle» e o jogo bate certo.
Aquando da história de José Duarte Oliveira, que perdeu a vida, em pleno oceano, na ânsia de carregar mais o bote, enquanto pescador do lugre- motor D. Diniz, na viagem de 1952, tendo deixado a sua mulher, eterna viúva, com três filhas para criar, pelo menos a família, emocionou-se com esta narrativa, pressagiada num belo e profundo sonho premonitório.
Num comentário ao sucedido, então, na dita Faina Maior, João Cândido Agra, através do FB, informou-me que um seu tio/padrinho de quem tinha a cédula marítima, também tinha perdido a vida na pesca do bacalhau, num dóri, enquanto pescador do Milena, em 1955. O caso chocou-me, interessou-me e repliquei que haveríamos de falar. Mas, outras tarefas se impuseram.
Eis senão quando, ontem, no Museu Marítimo de Ílhavo (o lugar certo), enquanto apreciava os modelos de embarcações tradicionais apresentados a concurso, dei de caras com o tal João Cândido Agra, ao apreciarmos, ambos, a mesma peça. Deu-se a conhecer, pois já falara, virtualmente, comigo, e contou-me que tinha construído aquele modelo de dóri, patinado pelo tempo, e corroído por alguma ferrugem dos anos, em memória do seu tio/padrinho, que desaparecera, no dóri, enquanto pescador verde (que pesca pela primeira vez), do lugre Milena, em 1955. Alto! O assunto interessou-me, trocámos umas palavras e pedi-lhe que procurasse documentação que tivesse dele, para acertarmos um encontro mais esclarecedor.
Mas, a conversa ficou por ali.
Como se chamava? – perguntei  eu. Não tinha a certeza. João de Jesus?
Seria melhor confirmar.
Ao entardecer, a curiosidade despertou-me e toca de tentar encontrar o nome, entre os maiores da Faina Maior. Mas só com João de Jesus, não chegava lá e os dados não batiam certo. Experimentei teclar também Agra e surge-me um nome que preenchia os requisitos – João de Jesus da Rocha Agra, nascido em Ílhavo, em 20 de Agosto de 1934. Tentei situar-me no tempo, na tragédia e debrucei-me numa foto que já tinha dele – moço, jovem, aprumado, bonitão, de olhos grandes, escuros, vivaços, cheios de sonhos, que se afundaram, eternamente nas águas do oceano. Pareceu-me.
Quem teria sido o capitão do Milena, em meados da década de 50? Mais propriamente, em 1956…
Pensemos nas situações que originavam estes desaparecimentos – o demasiado afastamento do navio, neste caso de pescador-verde, a pouca experiência, uma brisa levantada repentinamente que enraivecera o mar ou um forte nevoeiro, que, rapidamente, toldara o horizonte. Qualquer uma destas razões poderia ter sido o motivo do desaparecimento do jovem João de Jesus Agra. Ou, então, nenhuma destas.
Depois do encontro com o sobrinho e do que me contou, algo mais compôs o cenário, mas, o resultado era aquele e só ele – afundara-se no oceano, enquanto pescava.
-
Milena, à entrada de Leixões.

Teria, porventura, pais, que terão sofrido uma dor profunda e eterna, não tinha ainda família constituída, mas, sempre uma mulher, de permeio. Deixara, uma jovem namorada, na sua terra natal – Ílhavo – a sua prometida, com quem tencionava casar, no Dezembro seguinte, após a viagem. Dor sem fim, virara viúva antes do tempo.

Alto, forte, espadaúdo, um castelo de um jovem, engolido pelas águas – assim era o João Agra, nascido em Ílhavo, em 29 de Agosto de 1934, filho de Manuel da Rocha Agra e de Leonor de Jesus. Com a cédula passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 21 de Janeiro de 1951, tinha a formação da Escola de Pesca e fora tripulante do Milena de 1951 a 1956, como como moço nos dois primeiros anos, passando a verde, a maduro e a 2ª linha, à data do acidente.
Nada como tentar escalpelizar e procurar pormenores… No Ciemar, porventura, encontraria a resposta, se a sorte me rondasse. Pedi O Ilhavense e perguntei se havia o Diário Náutico do Milena, da campanha de 1956 (era essa a data certa). E havia. Folheei-o emocionalmente, à espera de algo que me esclarecesse completamente. De folha em folha, cheguei a 6 de Maio e aí, nas observações, surge-me a nota esclarecedora, que procurava – Bom tempo. Chamou-se às 16 15. Pelas 19.30, como todos os botes estivessem dentro, deu-se por falta do número seis, João de Jesus da Rocha Agra, que se afundou com a embarcação que tripulava. Mais uma página e abanada pela emoção, deparei com o:

Termo de Óbito

Aos sete dias do mês de Maio de mil novecentos e cincoenta e seis, o lugre-motor Milena, propriedade da Indústria de Aveirense de Pesca, Limitada, na posição estimada quarenta e seis graus e quatro minutos Norte e quarenta e nove graus cincoenta e nove minutos Oeste de Greenwich, arriou este navio a sua campanha para o exercício da faina da pesca às treze horas e trinta minutos com vento fraco e bonançoso de Oeste-Noroeste, mar encrespado e boa visibilidade, condições estas consideradas como boas e normais para trabalhar, tendo todos os navios arriado e estando à vista, com os botes na água, os bacalhoeiros «Maria das Flores» e «S. Jorge». Pelas dezasseis horas, o Capitão do navio suspendeu e navegou trinta minutos para Les-Sueste, ficando assim todos botes a barlavento.
Pelas dezasseis horas e quinse minutos, içou a bandeira chamando para bordo a sua companha. Os botes começaram a chegar a bordo pelas desassete horas e quinse minutos.
Às dezanove horas e trinta minutos, estando já todos os pescadores dentro, deu-se pela falta do número seis, João de Jesus da Rocha Agra, natural da freguesia e concelho de Ílhavo, nascido a vinte e nove de Agosto de mil novecentos e trinta e quatro, filho de Manuel da Rocha Agra e de Leonor de Jesus e inscrito marítimo na Capitania de Aveiro, sob o número vinte e seis mil seiscentos e trinta. Segundo informações do pescador José Borda d’Água Hilário, o tripulante em questão encontrava-se ao Norte do navio alando o seu aparelho.
Imediatamente o capitão suspendeu e se dirigiu para rumo indicado. Depois de várias pesquisas até ao anoitecer viemos para sotavento da posição indicada onde permanecemos fundeados até ao alvorecer.
Pelas cinco horas do dia oito suspendeu e navegou durante quatro horas e meia a vários rumos contornando a posição em que se encontrava aquele pescador.
Depois de todas estas tentativas e como não se encontrassem quaisquer vestígios, reuniu o Capitão os seus oficiais e principais da equipagem, concordando todos que o desditoso pescador se afundou juntamente com o bote que tripulava quando se encontrava a alar o aparelho tanto mais que as botas de cabedal e o fato de oleado que usava quando pescava lhe dificultavam bastante os movimentos.
A atestar esta afirmação tomamos em linha de conta, em virtude de se encontrarem perto o lugre «Maria das Flores» e navio-motor «São Jorge», pescando também, o facto de por nenhum deles ter sido recolhido, tanto mais que as condições de visibilidade eram esplêndidas. Como aliás o eram inicialmente.
Em fé do que se lavrou o presente termo de óbito, que vai ser assinado pelo capitão e principais da equipagem.

Joaquim Manuel Marques Bela – capitão
Silvério Conde Teixeira – imediato
Flávio da Silva Pereira – piloto
Francisco Malaquias Matias Lau – 1º motorista
Albino Domingues Gafanha – 1ª linha

Folheando o diário, no sentido de saber como se passou o dia seguinte, a bordo, deparei com este registo, no dia 8 – Bom tempo, mar e horizonte. Não se arriou em sinal de luto.
No jornal O Ilhavense de 20 de Maio de 1956, a notícia VARRIDO ao MAR dá-nos conta que de bordo do lugre «Milena» foi varrido ao mar o pescador ilhavense João de Jesus Rocha Agra, solteiro, de Cimo do de Vila.
Consultado o Jornal do Pescador desse ano, não encontrei qualquer referência. No ano de 1953, no mês de Janeiro, p. 16, nas Notas de elogio dos capitães, relativas ao aproveitamento dos alunos da Escola Profissional de Pesca, embarcados na campanha de 1952, o capitão do Milena, Carlos Augusto de Castro, sobre o João de Jesus da Rocha Agra, refere que cumpriu a contento todas as suas obrigações.

Foto da cédula marítima

E por aqui fica o relato de acontecimento tão triste e da preocupação da tripulação em localizar e salvar o desditoso jovem, cuja sepultura foram as profundezas geladas do Oceano.
-
Ílhavo, 23 de Novembro de 2017
-
Fotos – cedidas pela Família e pela Fotomar
-
Ana Maria Lopes
-

sábado, 9 de dezembro de 2017

Homens do Mar - João Simões Chuva - 39

-
João Simões Chuva, o Anjo

É suposto saber-se que adoro clichés antigos da pesca do bacalhau. Valem o que valem, mas eu adoro-os. E quando consigo alcançar alguns, rejuvenesço, alegro-me. Que boa pescaria! – penso.
Não conheci e muito menos convivi com o Capitão Anjo, mas as fotos que um seu sobrinho me facilitou, a sua qualidade hollywoodesca e antiguidade falam por si e merecem que as enquadre num currículo marítimo alargado do fotografado, família e «seus navios», à época.
O Capitão João Simões Chuva, o Anjo, nado e criado em Ílhavo (6 de Fevereiro de 1901), morador na Rua Direita, era filho de António Simões Chuva, o Anjo e de Josefa Machado.
Do seu casamento com Carminda Maia Pinguelo, em 1928, nasceu a Maria Natércia, mais tarde, professora do Ensino Primário, de que me lembro bastante bem. Não deixou descendência.
O Cap. Anjo era portador, com dezasseis anos, da cédula marítima nº 14.940, passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 6.9.1917. Pertenceu a uma geração, transição de séculos XIX/XX, em que era hábito começarem a embarcar cedo com familiares ou amigos, mas disso não temos dados concretos.
Teria feito algumas viagens no comércio? – fica a dúvida.
Tive conhecimento, em nota de arquivo, de que exerceu actividade marítima desde 1928, não tendo tido colocação entre 1930 a 1932, anos de crise, o que aconteceu com outros oficiais.
O seu nome aparece, efectivamente, ligado à pesca do bacalhau, na Ficha do Grémio, em 1936, como piloto do Neptuno II, lugre de madeira construído em 1873 em Vila do Conde, comprado por Bensaúde & Companhia, em 1889, propriedade da Parceria Geral de Pescarias. Foi seu comandante Adolfo S. Paião Júnior, o conhecido capitão Adolfo.
Mais um ílhavo que fez a sua vida marítima, infelizmente não muito longa, pela Parceria Geral de Pescarias.
De saco e bagagens no convés, mudaram-se, ambos, nas campanhas seguintes de 1937 e 38, para o belo Hortense, com os mesmos postos de piloto e capitão
Iniciada a nova década, a de quarenta, ambos se transmutaram para o mítico Argus, navio de aço, de quatro mastros, mantendo os mesmos postos. Hermenegildo Rodrigues do Passo foi o imediato – natural  da Fuseta, que tanta gente forneceu para a pesca do bacalhau, sobretudo, pescadores.

No barbeiro, a bordo do Argus…, 1940

Na safra de 1942, logo surgem de novo, o piloto António Simões Chuva e o Capitão Adolfo, agora de salto para o lugre Creoula. Nesse ano, o imediato, Manuel da Silva Costa, também era de Ílhavo.
No ano de 1943, o então «piloto Anjo» passou a imediato do mesmo navio, com o mesmo capitão. Manuel da Silva Costa, também de Ílhavo, exercera o cargo de piloto.
E na campanha de 1944 e seguintes, até 48 (inclusive), João S. Chuva continuou de imediato, mas, agora do Argus, sempre com o capitão Adolfo. Nestes cinco anos, os pilotos foram: José Simões Negócio (44 e 45), António Remígio Sacramento Teiga (46) e João Fernandes Matias (48), todos de Ílhavo. Desde 1937 a 1948, João Chuva, piloto/imediato, e Capitão Adolfo Paião, sempre constituíram um dueto, que, numa dança de cadeiras, usual nas empresas, nunca saiu da mesma, apenas mudando de navio – considerando, à laia de conclusão.
E chegou o ano de 1949 em que o «nosso capitão» se estreou mesmo no comando do lugre-patacho Gazela Primeiro, que dispensa considerações e muito menos apresentações.

Com a mulher, a bordo do Gazela, em1949

E nova década, a de cinquenta, começa e ei-lo como capitão do belo e elegante Hortense, um cisne branco de asas ao vento. Durante estes anos, foram seus pilotos, que tenha conseguido fixar, Francisco Manuel de Oliveira Leite, mais conhecido pelo Chico Leite, em 1951, de Ílhavo.
 
A bordo do Hortense, no início da década de 50

Da esquerda para a direita, na foto anterior, a filha Maria Natércia, o piloto Chico Leite (51) e a mulher do capitão, Carminda Pinguelo.

A bordo do Hortense, no início da década de 50

Da esquerda para a direita, na foto anterior, a filha Maria Natércia, o Capitão Anjo e sua mulher.
E não encontrei mais notificações de embarques, nem na PGP, nem noutra qualquer empresa. Ficou-se pelo tal cisne branco, um dos mais belos e elegantes veleiros da época.

O belo Hortense, a todo o pano…
-
E, cerca de dois anos depois, a 17 de Maio de 1956, com 55 anos, partiu para a tal viagem sem regresso, de forma inesperada, vítima de um colapso cardíaco.
Nada como a ajuda do amigo Marques da Silva, na identificação das fotos dos navios, que conheceu, por pormenores ínfimos, tal como as suas mãos. Do capitão Anjo, como lhe chamavam, testemunhou-me ter sido muito boa pessoa, muito afável, com quem se gostava de conversar.
O João Aníbal Ramalheira, seu sobrinho por via materna, chegou a conhecer o tio, a quem chamava Tibão, sendo o dono, ainda hoje, do palheiro que fora dele, na Costa Nova, na Avenida Belavista. Pessoa hábil e habilidosa, fez e arranjava relógios de parede, de que ele ainda hoje, afectuosamente, guarda dois.
-
Fotos gentilmente cedidas por João Aníbal Ramalheira.
-
Ílhavo, 16 de Novembro de 2017
-
Ana Maria Lopes
-

domingo, 19 de novembro de 2017

Homens do Mar - João Fernandes Matias - 38

-
Capitão João Fernandes Matias

Tendo tido um percurso idêntico ao do capitão José Luíz Codim e, sendo, praticamente, do mesmo ano de colheita, hoje, vamos recordar João Fernandes Matias, conhecido por João do Creoula, por ter havido, em Ílhavo, mais capitães com o mesmo nome.
Nasceu na nossa terra maruja, no primeiro de Dezembro de 1925, filho de Manuel dos Santos Matias e de Felicidade dos Santos Matias, na Rua da Fontoura.
Depois do casamento com Deolinda Pereira Senos, de quem teve dois filhos – o Manuel João e a Teresa do Rosário – construiu casa na Avenida Mário Sacramento, nº 125, mais conhecida por Avenida dos Capitães, que passou a habitar. Foi aí que, na década de noventa do século passado, o procurei para conversar e me emprestar fotos da faina do mar que, porventura, tivesse. Como imediato que tinha sido do navio Argus, em 1950, possuía a relíquia do álbum que lhe tinha sido oferecido por Alan Villiers, já tantas vezes por aqui mencionado. Por gentileza, cedeu-mo, para usar como entendesse.
Na escola primária, foi um dos alunos do Professor Catarino, colega do Padre João Paulo, do Mário Vizinho, do Fernando Pinho (Sanana), do Edgar Peixe, do Aníbal Ramalheira, do Manuel Cardoso e tantos outros, que, todos os anos, reuniam em almoço-convívio, no sábado anterior ao Senhor Jesus dos Navegantes, num restaurante, a gosto, até desaparecer o último do grupo.
Capitão já de uma geração mais recente, era portador da cédula marítima nº 25.063, passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 11 de Agosto de 1945.
Mais um marinheiro, a enveredar pela pesca do bacalhau, tendo, praticamente, sempre servido a Parceria Geral de Pescarias.
Por informação casual, mas bem memorada do amigo Vitorino Ramalheira, João Matias fora o piloto, em estreia de vida profissional, do navio-motor, de três mastros, Lutador. Eram ambos estreantes, na campanha de 1946, o navio e o piloto – recorda Vitorino Ramalheira. Era capitão Sílvio Ramalheira e imediato, Manuel dos Santos Marnoto Praia. O navio até tivera de sair mais tarde e, levara, com se fazia, à época, alguns passageiros clandestinos, a bordo, até Lisboa, entre eles, o amigo Vitorino, com 15 ou 16 anos, na altura, e outros.
Na campanha de 1947, foi de imediato no lugre com motor Júlia IV, da praça da Figueira da Foz, sob o comando de João Fernandes Parracho, o Vitorino. E tantos oficiais de Ílhavo por ele passaram… vaidosos dos Júlias.
Depois destas primeiras experiências, lá rumou à Parceria Geral de Pescarias, por onde foi ficando, tendo vindo a chefiar três dos seus navios.
Entre 1948 e 1951 (inclusive), fora imediato do famoso e esbelto Argus, sob o comando do capitão Adolfo Paião. De Ílhavo, neste período, foram pilotos, ele próprio, na safra de 1948, e José Luiz Nunes Oliveira, de alcunha Codim, nas de 1950 e 51. João Simões Chuva, de alcunha Anjo foi também imediato, na campanha de 1948.
Na viagem de 1950, a bordo do Argus

Por ordem, na foto, o Capitão Adolfo, João Matias, imediato, César Maurício (1º mot.), José Luiz Codim, piloto e Manuel Laracha (2º mot), junto à gaiúta.
Deu o salto para capitão, entre 1952 e 1957, do mais que célebre lugre- patacho Gazela Primeiro, que ainda vai velejando lá para as bandas das Américas. Foram seus imediatos, na campanha de 1952, Pedro Vilardebó Loureiro, na de 1954, António Simenta de Carvalho e nas de 55, 56 e 57, Guido Serras Pires, todos residentes em Lisboa.

Em pé, a bordo, mais acima, norteando trabalhos…
Como capitão, desta «emposta» arribou ao lugre com motor, de ferro, Creoula, hoje o conhecido NTM, pertença do Ministério da Defesa, com o mesmo nome. Comandou-o entre os anos de 1958 e 68, perfazendo o belo número de 11 safras. O tempo foi avançando e as fontes de informação acerca dos imediatos, rareando.
Apenas consegui apurar Guido Serras Pires, nas safras de 58 e 59 e João Sílvio Serrano Matias, em 1968, de Ílhavo.

Entre as selhas, baldeando o convés…

E com o ano de 1969, chegou o tempo de mudança para o navio Neptuno, também pertencente à Parceria, que comandou até 1973. Construído de aço, este navio, nos extintos e saudosos Estaleiros de São Jacinto, em 1958, efectuou a última campanha em 1970, tendo sido transformado para navio de redes de emalhar com lanchas, em 1971.
 
Alguns, últimos dos últimos,  comandantes dos nossos veleiros…

Na foto, da esquerda para a direita, capitães António Marques da Silva, João Fernandes Matias, Francisco Paião (Almeida), Aníbal Parracho e José Luís Oliveira, Codim.
Depois do bacalhau, o «nosso» capitão embarcou em navios do comércio da empresa Econave, em viagens entre Portugal, Norte da Europa e Mediterrâneo. Começou como imediato no Eco Sado, comandado por António Marques da Silva, tendo passado a chefiar navios da mesma empresa, senão, todos.
Ainda na década de 80, esteve com o Pai, em Inglaterra, quando chegava a Liverpool, para o que tinha de percorrer uma escassa hora de comboio – relembrou-me o Manuel João.
Quando, já depois de reformado, convivia com os amigos, nos bancos do Jardim, aqui em Ílhavo, e tocavam as 12 badaladas do meio-dia, levantava-se e ia para casa almoçar, invariavelmente. No último percurso a pé, entre o Jardim e a sua casa na Avenida Mário Sacramento, foi atropelado por um automóvel, acidente do qual resultou a sua morte, pouco tempo mais tarde, a 28 de Junho de 2006, com 81 anos.
Pessoa reservada, mas dotado de uma inteligência invulgar, com uma memória notável, qualidades que só eram conhecidas por quem convivesse com ele, de perto – assim o recordou Marques da Silva.
Na década de 90, sempre que o NTM Creoula, em consonância com a Câmara e o Museu, visitava a Gafanha da Nazaré, sempre esteve presente, juntamente com outros seus colegas que tinham sido oficiais do navio, para uma agradável recepção a bordo.
 -
-
Imagens – Fotos de A. Villiers e outras, cedidas pela Família
Ílhavo, 19 de Novembro de 2017
Ana Maria Lopes
-

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Dia do Mar

-
O Dia Nacional do Mar comemora-se no dia 16 de Novembro, data à qual o Museu Marítimo de Ílhavo (MMI) não podia ficar indiferente, assinalando-o com várias iniciativas ao longo dia 18, sábado, das quais destacamos:
Pelas 16 horas, a apresentação do livro «Traços de Construção Naval em Madeira – Mastreação e Aparelho do Navio» de António Marques da Silva
e a Entrega dos Prémios do 4º Concurso de Modelismo Náutico do Museu Marítimo de Ílhavo.

 
O livro do Senhor Capitão Marques da Silva é constituído por seis partes, além da Introdução. São elas: A Ossada do Casco, O Arvoredo, Aparelhar um Navio, Ferragens do Navio, Conservação dos Navios de Madeira e O Velame, além da Conclusão e de um sucinto glossário.
Desenhos aproveitados de uma antiga «gaveta», com textos explicativos recentes. E sabemos quanto valem os textos tecnicistas deste Autor!
Os diversos capítulos são separados por belas e elucidativas fotos de Friedrich Baier. Prefácio do Almirante Tito Cerqueira.
Certamente, se aparecer pelo museu, no próximo sábado, sairá muito mais enriquecido. Verá!

Ílhavo, 14 de Novembro de 2017

Ana Maria Lopes
-

sábado, 4 de novembro de 2017

Homens do Mar - José Luiz Nunes de Oliveira - 37

-
José Luís de Oliveira. No Argus, 1950.
-
Quem espera sempre alcança. Foi preciso um ror de anos (vinte e cinco), para que o quarto álbum registado e oferecido por Alan Villiers ao Museu, ao Capitão Adolfo, ao então imediato João Matias, e ao piloto José Luiz, da célebre Campanha do Argus, em 1950, me tivesse chegado às mãos.
Por interposta pessoa amiga, que conhecia a viúva, foram-lhe pedidas fotografias para este fim. Além de outras, que nos foram cedidas para digitalizar, eis que, passados uns tempos, o tal álbum nos chegou às mãos – que contentamento! Virei-o e revirei-o, mirei-o e remirei-o, digitalizando o que me apetecesse. Trata de pedir auxílio a amigos e entendidos, da época, para a identificação de outros figurantes.
Filho do Capitão Francisco de Oliveira (n. em 12.1.1888), teve três irmãos – Manuel, Francisco e João, todos com ocupações marítimas e uma irmã, Maria. Neste contexto familiar, o seu destino profissional só podia ser mesmo o mar.
José Luiz Nunes de Oliveira, de alcunha (Codim), nasceu em Ílhavo, a 17 de Novembro de 1923, na Rua de Cimo do Vila, nº 97.
Depois do casamento com Maria das Neves Simões Magano, de quem teve três filhos – Francisco José, Maria do Rosário e Alcides Luís – construiu casa na Rua do Casal, que passou a habitar.
Completou o Curso de Pilotagem em 1944/45, sendo portador da cédula marítima nº 112.210, passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 2 de Setembro de 1946.
Propriamente antes de enveredar pela pesca do bacalhau, o que era mais usual em Ílhavo, entre 1946 e 49, foi oficial do paquete Lourenço Marques da Companhia Nacional de Navegação, no qual viajou para as ex-colónias, incluindo Índia e Timor.
O apelo do bacalhau foi mais forte e na safra de 1949, o Cap. Zé Negócio desencantou-o para ser seu imediato no lugre com motor, de madeira, Ana Primeiro. E assim foi. O Ana Primeiro, ex-Erika, construído na Suécia em 1918, foi adquirido pela Sociedade de Pesca Luso-Brasileira, Lda., com sede na Figueira da Foz, iniciando a actividade de pesca em 1935. O Ana Maria, embora também velhinho, era um lugre de uma elegância cativante, enquanto o Ana Primeiro não passava de se assemelhar a um desajeitado tamanco.
Lugre Ana Primeiro
Daí, deu o salto, de saco de lona às costas, para a Parceria Geral de Pescarias, empresa conceituada, onde trabalhou com muitos outros ilhavenses que por lá passaram.
Logo em 1950, exerceu o cargo de piloto do afamado lugre Argus, durante a tal viagem que serviu de base ao livro A Campanha do Argus de Alan Villiers, sendo imediato João Fernandes Matias e, no comando, o Capitão Adolfo Paião. Campanha famosa e que deu, além de muito mais, para bater belíssimas chapas, que nos dão imenso jeito, agora.
João Matias, José Luiz Codim e Manuel Laracha (motorista)
Divertiam-se, no carro do bacalhau, no convés do Argus

No ano de 1951, a oficialidade não se alterou. De 1952 a 55, José Luiz Nunes de Oliveira passou a imediato, tendo sido piloto, Manuel Paulo Pinto Nunes Guerra. Nos anos de 1953, 54 e 55, foi piloto, Francisco Teles Paião, sobrinho do Capitão.
Mantendo-se na Parceria Geral de Pescarias (PGP), surgiu a altura de mudar de navio, ocupando o cargo de capitão no lugre Hortense, entre 1956 e 64. Dos imediatos, apenas dois foram de Ílhavo – Benjamim dos Santos Marcela, de alcunha Benjamim Pardal, entre 59 e 60, e Júlio Pereira da Bela, Salsa, em 1964.
O lugre com motor, de madeira, Hortense fora construído para a PGP, por Manuel Maria Bolais Mónica, na Gafanha da Nazaré, em 1930. Tendo feito a última campanha em 1964, foi oferecido pela empresa armadora à Organização Corporativa das Pescas, em 1968, para nele se instalar o Museu de Pesca Vasco Bensaúde, tendo acabado por ter ardido no Mar da Palha, em Dezembro de 1970. Sorte malvada!...
Hortense, Argus, e Gazela Primeiro, durante o Inverno
Chegou a altura de o nosso capitão passar a comandar o célebre Gazela Primeiro, nas campanhas de 1965 a 68 (inclusive). O Gazela Primeiro foi, talvez, o navio mais emblemático da Parceria, que ainda hoje navega sob pavilhão dos Estados Unidos da América, agora sob a tutela de um grupo de Amigos que muito o estima. Dos imediatos, à época, foi impossível encontrar dados para a sua identificação.
E toca de voltar ao «seu» Argus, desta vez, nas safras de 1969 e de 70, sem que os imediatos fossem de Ílhavo. Quando algo de diferente acontece a bordo, bate-se uma chapa para a posteridade. Foi o que aconteceu em 1969, quando pescaram, o que não é vulgar, um razoável peixe-lua. 
Com o peixe-lua, no Argus, em 1969
O número de navios na Parceria ia diminuindo e a anacrónica pesca à linha, que tem sido mote de muita e mítica conversa, dava indícios do seu «requiem».
O Capitão José Luiz fazia as últimas viagens para a empresa, que mais de duas dezenas de anos servira. – desta vez, nas campanhas de 1971 e 72 – como imediato do navio-motor Neptuno, sob o comando de João Fernandes Matias, o João do Creoula, como era conhecido entre os companheiros, pelo facto de ter havido em Ílhavo, mais capitães com o mesmo nome.
Este navio, já, mais moderno, fora construído nos malogrados e desaparecidos Estaleiros de S. Jacinto, à data de 1958, para a empresa em questão.
Marques da Silva, outro famoso oficial da Parceria, em conversa, recordou com saudade, o convívio que tinham tido, desde 1954, como imediatos e mais tarde, como capitães do Creoula e do Argus, navios famosos da mesma empresa. Foram vinte anos de amizade e são companheirismo!
Em 1973, mudou de rumo o capitão José Luiz e enveredou pela marinha de comércio, ao serviço da empresa Econave, como imediato do Eco-Vouga. Depois de passar pelo graneleiro Rio Zaire, assentou praça em 1974, na Soponata, onde se manteve até à aposentação, em 1980.
Tendo falecido em Janeiro de 2007, com 83 anos, ainda teve uns bons aninhos para saborear uma merecida reforma. Nesse tempo, pessoa muito pacata, muito caseira e muito habilidosa, dedicou-se com carinho, afinco e entusiasmo à agricultura. Amante da passarada, a que dedicava muito do seu tempo livre, tinha uma especial preferência por canários e pintassilgos. E assim se passou a vida deste prezado ilhavense, homem do mar.
Fotos – Gentilmente cedidas pela família
Ílhavo, 4 de Novembro de 2017
Ana Maria Lopes
-

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Homens do Mar - Samuel Corujo - 36

-
Samuel Lopes Corujo
-
Vizinho de rua, Ferreira Gordo, nº 20, há tantos, tantos anos, homem simples, bom, simpático, dado, afável – Samuel Lopes Corujo –, desta vez chegou o momento de lhe rememorar as histórias marítimas. Já o tinha lembrado como o «Sr. Samuel das garrafas» – explicarei porquê – mas, desta vez, é o motorista, o homem do mar que vou recordar.
Samuel Lopes Corujo, nado e criado em Ílhavo (1922-2005), filho de Samuel Francisco Corujo e de Emília Augusta Lopes Corujo, casou com Maria Victorina S. Marques em Agosto de 1948. Deste casamento, nasceram três filhos: Emília Augusta, António Samuel e José Manuel.
Era portador da cédula marítima nº22226, passada pela Capitania do Porto de Aveiro, em 1937.
Apenas com 15 anos de idade (em 1937) fez a sua viagem de baptismo como ajudante de maquinista no lugre com motor Anfitrite 1º (1927-77), de quatro mastros, que se dedicava apenas ao comércio e no qual viajou muitas vezes para as costas da América e de África.
Lugre Anfitrite . Col. de LMC
Seguiu-se o lugre Patriotismo, também do comércio, em que naufragou, ao largo de Peniche, em 17 de Fevereiro de 1941, devido a um ciclone que assolou a costa portuguesa. Parece que o navio foi abandonado por falta de condições de navegabilidade. Transportava carvão do Porto para Lisboa, quando naufragou, tendo morrido o contramestre, que, curiosamente, era o único tripulante que não era de Ílhavo.
O lugre Patriotismo, em Peniche, em 1941.
O Patriotismo, lugre de madeira, construído para a Parceria Marítima Douro, Lda., por José Dias dos Santos Borda Júnior, em Fão, em 1924, destinou-se à pesca do bacalhau, tendo feito a última campanha em 1939 e tendo passado para o comércio em 1940. Navegou só à vela até 1934, tendo recebido motor auxiliar em 1935.
Em 1949, Samuel Corujo, 8 anos depois, passou, definitivamente, a motorista/maquinista de arrastões da pesca do bacalhau, onde passou por algumas peripécias, sofrimentos e tragédias. Que mais labutas lhe reservaria a vida de mar?
Depois de, em 1949, ter ido buscar o arrastão António Pascoal, à Holanda, onde fora construído para a empresa Pascoal & Filhos, sediada na Gafanha da Nazaré, entre 1949 e 1952 (inclusive), exerceu o cargo de 3º motorista nesse mesmo arrastão, tendo-o estreado, sob o comando do capitão ilhavense Manuel Pereira da Bela, com duas viagens nos dois primeiros anos e uma, nos dois últimos. Nada de anormal, segundo creio, a bordo.
Em 1953, Samuel Corujo numa nova emposta, muda de arrastão e vai ao mar no Santa Mafalda.
Era um arrastão lateral construído em 1948, para a Empresa de Pesca de Aveiro (EPA), pelo estaleiro Odero Terni Orlando, em Livorno, Itália.
Foi para ficar por 14 anos, equivalentes a 23 campanhas, pois os arrastões nem sempre faziam duas viagens por ano e nem sempre a tripulação se mantinha. A última viagem que não chegou a ser realizada, acabou com o naufrágio do arrastão. Durante esta porção de tempo, Samuel Corujo conheceu os capitães António Trindade da Silva Paião (1953, 54 e 55), José de Oliveira Rocha, (de 1956 a 65), António Trindade da Silva Paião, (2ª viagem de 1962) e Asdrúbal José Sacramento Teiga, todos de Ílhavo.
Alguns acontecimentos aziagos fustigaram a carreira marítima do nosso amigo – o primeiro, o esmagamento de dois dos dedos da mão direita, em 1959, num acidente de trabalho, a bordo, e o outro, o próprio naufrágio insólito do navio, a que voltarei.
Recordou-me, várias vezes, nas nossas conversas, o acidente que sofrera, a bordo do arrastão Santa Mafalda, enquanto 3º motorista, que lhe roubara dois dedos da mão direita. Os dois dedos que lhe sobraram intactos (polegar e indicador) ficaram com a força e ligeireza de um perfeito alicate. Episódio esse, imortalizado pela pena de Bernardo Santareno, ao tempo, médico no Gil Eannes, em Nos Mares do Fim do Mundo, de que me transcrevo uns excertos:
Alô! Alô! O «Santa Mafalda» chama urgentemente o médico! Alô! Alô! Médico! Médico!...
Eu estava no «Bissaia Barreto» (…). Foi então, à hora do jantar, que, aflitivamente, este S.O.S. rasgou os ares: o terceiro maquinista do «Mafalda» tinha uma mão esmagada, por acidente de trabalho!
Era preciso intervir e quanto antes.
E os dois navios navegaram ao encontro um do outro.
O enfermeiro, o Lourenço, a voz trémula de emoção, deu-me pela «fonia» mais pormenores: um dos dedos, preso à mão por escasso retalho de pele, estava sem dúvida condenado; e além deste, dois dos outros dedos desta mesma mão, com fracturas múltiplas e expostas, teriam provavelmente a mesma sorte.
Era preciso ver as lesões, mas como chegar ao «Mafalda»? O mar, agora, estava bravo como eu ainda não o vira: varas apocalípticas cruzavam o «Bissaia» em todos os sentidos, o vento levava pelos ares madeiras e cordame, a névoa tornara-se impenetrável. Como? Como passar?! (…)
(…) Era impossível tentar a minha passagem. Ai, o alívio que eu nesse momento senti! (…)
Em todo o caso e sempre pela telefonia, lá fui dando instruções de que me lembrei ao pobre Lourenço.
Era desesperante.
O mar atingira o auge da fúria: rasgava tudo; vencia, com o seu clamor monstruoso, os pobres gritos humanos; lavava, com a espuma claríssima das suas ondas, a sangrenta nuvem daquela hora.
(…) Mas aquele ferido, tão novo, um rapaz… ai, aquela mão! E se fosse possível salvar-lhe os dedos lacerados? Bem bastava o outro, o que já tinha sido amputado (…).
E mandei seguir o «Santa Mafalda» para terra.
Recebi hoje – oito dias sobre este acidente – uma notícia admirável: o terceiro maquinista, apesar da brutalidade das lesões, ficará com os seus dedos!
Tudo valeu a pena: a angústia daquela hora, a raiva humilhante da minha impotência, o suor de sangue e fel do Lourenço, o desespero dinâmico do comandante do «Mafalda».
Valeu a pena, valeu a pena!
Quanto ao naufrágio do Santa Mafalda, o jornal O Ilhavense de 10/2/66 refere-se-lhe:
-
À saída da barra de Lisboa, no dia 21 de Janeiro, pelas 11 h e 40, em frente a S. Julião da Barra, numa zona da barra onde o mar obriga às maiores cautelas, pela sua estreiteza, e por ser semeada de rochedos e bancos de areia, ocorreu mais um naufrágio, cujas consequências, entretanto, felizmente, não foram além dos elevados prejuízos materiais.
O mar encapelado, devido ao vento forte que soprava do quadrante sul, tornava perigosa a navegação. No entanto, os navios da frota bacalhoeira do arrasto, como estava previsto, suspendiam e aprestavam-se para seguir, rumo aos bancos de pesca da Terra Nova e Gronelândia, a fim de iniciarem mais uma campanha. Da dezena e meia, destinados a tão espinhosa faina, três iam já de abalada, quando o sinistro foi assinalado.
As águas revoltas da baixa-mar transpunham, espectacularmente, a muralha da estrada marginal. A neblina envolvia o espaço, dando ao Tejo um aspecto sombrio. Manhã de pura invernia. Percorrendo o estreito corredor da barra Norte, de quilómetro e meio de largura, entre o Forte de S. Julião e o Farol do Bugio, deslizava, sofrendo os impulsos da agitação das águas, o arrastão Santa Mafalda, da praça de Aveiro, da EPA.
O Santa Mafalda comandado pelo capitão Asdrúbal Teiga Capote, de Ílhavo, passava em frente de S. Julião, navegando a velocidade reduzida. Batido por rajadas de vento violento, sofre uma avaria de leme, cujo sistema eléctrico leva o navio trancado a estibordo.
O navio sem governo permaneceu à deriva, ao sabor do vento sudoeste e da corrente e foi impelido para perto da margem direita, até que um enorme rochedo localizado a cerca de trezentos metros da Fortaleza, entre as pedras da Torre e de Carcavelos, conhecido por Pedra da Laje, e frente à piscina, o imobilizou e lhe terá produzido um enorme rombo no costado.
Entretanto, não obstante a situação não se afigurar dramática, dada a curta distância que separava o navio da margem, três homens da tripulação do Santa Mafalda tomados de pânico, muniram-se de cintos de salvação e lançaram-se ao mar, vindo a ser recolhidos, com as naturais dificuldades, por uma lancha do vapor dos Pilotos.
Foi, assim, através daquela lancha que continuou a prestar valiosa colaboração que os náufragos foram recolhidos, após se ter conseguido estabelecer um género de cabo de vaivém com o vapor dos Pilotos, que se posicionou a barlavento, e muito próximo do Santa Mafalda. E nestas andanças, que não teriam sido fáceis, apesar da proximidade de terra, se salvou, como os restantes tripulantes, o nosso homem do mar Samuel Corujo.
O mar, após dez dias de fúria violenta, partiu em duas partes o arrastão Santa Mafalda, e por ali acabara por ser desmantelado.
Santa Mafalda encalhado. De Navios à vista
Neste caso, a mudança de navio era mesmo obrigatória e, a partir de 1967, Samuel Corujo, com novo enxoval de bordo, passou para o arrastão Santo André, até 1975, perfazendo 13 campanhas.
-
A bordo, em St. John’s, nos anos 70
Este arrastão lateral nasceu em 1948, na Holanda, por encomenda da Empresa de Pesca de Aveiro e dentre os capitães que o comandaram, neste período, foram de Ílhavo, o Capitão Nordeste (1967 a 70), António Trindade G. Paião (1971, 72 e 73, 1ª viagem), e Capitão Ernesto Pinhal (1975).
Arrastão Santo André, em plena pesca
-
Em 1976, uma maleita do coração abanou o peito de Samuel Corujo, não mais tendo embarcado. Em 1982, aposentou-se, após uns anos de serviço em terra, na empresa a que pertencia o navio.
Quando visitou o arrastão Santo André como navio-museu, com a Família, emocionou-se ao reconhecer os espaços por onde trabalhou e se movimentou, incluindo o seu próprio camarote. Havia vestígios da sua existência naquele navio… Hoje, como todos sabemos, constitui um pólo do Museu Marítimo de Ílhavo, ancorado junto ao Jardim Oudinot, na Gafanha da Nazaré. O armador do navio e a Câmara Municipal de Ílhavo decidiram transformar o velho Santo André em navio-museu, tendo em Agosto de 2001, iniciado um novo ciclo da sua vida: mostrar aos presentes e vindouros como foram as pescarias do arrasto do bacalhau e honrar a memória de todos os seus tripulantes durante meio século de actividade.
Evoluindo aos poucos, na longa carreira, profissionalmente, acabou por chegar a 1º maquinista nas últimas seis campanhas do Santo André, pela boa prestação de serviços e suas qualidades humanas.

E agora, que fazer durante a aposentação, que ainda foi longa? Mesmo depois de alguns trágicos incidentes, as saudades oceânicas atacavam o Sr. Samuel. Prolongou o seu gosto pelo mar e navios, depois de ter aprendido com um familiar mais velho, Capitão Weber Bela, a engarrafá-los artisticamente em garrafas de vidro. Arte própria de marinheiros habilidosos! Motoristas e maquinistas, normalmente hábeis, atiravam-se a esta actividade artesanal, em dias de brisa! Convinha que não fossem muitos!…
Já que moradores na mesma rua, visitávamo-nos com frequência. Ou o ex-maquinista/artista me vinha entregar os seus trabalhos encomendados, o que me dava sempre muita satisfação ou eu visitava-o para observar os «principais passos» do «engarrafamento de mar e veleiros». Entretanto ouvia as suas histórias marítimas, alegrias ou tristezas vividas ao sabor das vagas, durante perto de quarenta anos. A lista de encomendas de veleiros em garrafas era enorme, mas haveria muito possivelmente maneira de a «furar». A falta de sono fazia o nosso homem do mar, em terra, acordar antes do alvorecer e logo se agarrava ao passatempo preferido com muita paciência e minúcia. Os eleitos? Seriam o Gazela Primeiro, com ou sem os minudentes palheiros, o Creoula, o Argus, o Cruz de Malta, o Novos Mares e muitos mais. Eu, claro, além de outros que navegam na casa de praia, mandei fazer o Ana Maria. O segredo está nos mastros… – confessava-me ele, exemplificando.
O segredo está nos mastros…
O nosso motorista serviu alguns navios que, para o bem e para o mal, ficaram na história dos bacalhoeiros portugueses – lugre Patriotismo e arrastão Santa Mafalda pelos naufrágios inéditos sofridos e arrastão Santo André, pela transformação em navio-museu.
Com a forte e bela narrativa de Santareno, ficou Samuel Corujo imortalizado na nossa literatura marítima e com os «seus barquinhos», lembrado nas colecções de miniaturas de veleiros em garrafas, espalhadas por todo o mundo.
No feriado municipal de Ílhavo de 2006, foi homenageado, a título póstumo, pela CMI, com a medalha de mérito cultural de prata.
Ílhavo, 6 de Outubro de 2017
Ana Maria Lopes
-